PROGRAMA NB FIT KIDs

Introdução

Criação - Prof. Rodrigo Troyack

Coordenação - Prof. Guilherme Noira

Ao longo dos último anos, a sociedade moderna sofreu uma série de transformações tecnológicas devido o avanço das ciências básicas, que refletiram em mudanças comportamentais dramáticas.

No ambiente doméstico, o desenvolvimento da indústria do entretenimento digital e eletrônico vem se impondo rapidamente como novo símbolo social, oferecendo um novo padrão de diversão e lazer para as famílias, sobretudo para as crianças e adolescentes, mostrando seus reflexos no novo modelo de comportamento dos jovens, cada vez mais sedentários, inseguros e ansiosos. Paralelamente, a atividade física formal e regular, ou informal e lúdica vem perdendo cada vez mais espaço na rotina de vida dos jovens, especialmente as crianças e adolescentes, visto que os mesmos são absorvidos rapidamente e cada vez mais cedo pela dinâmica funcional dessa nova sociedade de consumo tecnológico, incorporando-se a um ciclo-vicioso que não contempla o tempo necessário a prática de atividades físicas.

O excesso de peso, decorrente de uma má alimentação e sedentarismo, pode levar aos pequenos a doenças de gente grande como aumento nas taxas de colesterol e glicemia, pressão alta, alterações cardiovasculares, perda da auto-estima, isolamento dos amigos, ansiedade e, até mesmo, depressão. A má alimentação gera não só o excesso de peso, mas pode contribuir para uma deficiência de nutrientes que são fundamentais para o crescimento e desenvolvimento saudável da criança. Uma criança que se alimenta mal corre um risco maior de apresentar anemia, deficiência de vitaminas do complexo B e a conseqüência será um baixo rendimento escolar e crescimento menor comparado aos colegas de escola.

Acompanhamento Médico

Antes de se iniciar qualquer intervenção profissional em crianças e adolescentes, é imprescindível que a mesma esteja orientada pelo seu médico. Independente da ausência ou não de fatores de risco, só se deve iniciar um programa de Atividades Físicas após liberação médica documentada. O acompanhamento médico deve ser regular e periódico.

Importante


Estudos científicos têm demonstrado a relação de causa e efeito entre o tempo dedicado ao uso de equipamentos eletrônicos de entretenimento na adolescência, como televisão, videogames e computadores, e a consolidação e prática de comportamentos na vida adulta, mostrando claramente que quanto maior o tempo dispendido com estes meios eletrônicos de diversão, maior é a probabilidade de se formar um adulto sedentário, obeso e com o desenvolvimento de um ou mais fatores de risco associados.

Prevalência


Estudos do IBGE de 2009 apontam um saldo positivo no número de crianças de 5 a 9 anos com excesso de peso ao longo de 34 anos. Na década de 70, os índices de excesso de peso eram, em média, 9,8%. Já na pesquisa realizada em 2008-09, os índices médios chegam a 33,4%. Entre as crianças de 10 a 19 anos de idade, este aumento entre as décadas também foi evidente com índice médio passando de 5,6% para 20,5%.

Benefícios da atividade física

  • Melhora a aptidão cardiorrespiratória
  • Aumenta a força
  • Aumenta a massa muscular
  • Aumenta a flexibilidade
  • Produz efeito hipotensor da pressão arterial
  • Reduz a gordura corporal
  • Redução do Colesterol sanguíneo
  • Reduz os Triglicerídeos
  • Aumento da sensibilidade à insulina
  • Melhor controle da Glicose sanguínea
  • Manutenção da taxa metabólica basal
  • Manutenção das taxas de produção hormonal
  • Combate o sedentarismo
  • Promove um estilo de vida mais saudável

A importância da boa alimentação

A alimentação tem papel fundamental no excesso de peso das crianças e alimentos como biscoitos recheados, chocolates, doces, refrigerantes, fast food e alimentos industrializados contribuem para o ganho de peso ao longo da infância e pode levar a distúrbios relacionados ao peso. Considerando o ambiente escolar, pesquisas mostram que a obesidade está relacionada a doenças como autismo, déficit de atenção, entre outras e que a alimentação pode influenciar de forma negativa e, igualmente, positiva quando se trata destas desordens nas crianças.

Assim sendo, é fundamental que os pais e professores estejam atentos a todo este cenário. Deve-se atentar para a importância da alimentação nos pequenos para que, desde a infância, possa adquirir hábitos saudáveis de alimentação e, conseqüentemente, uma saúde em dia para toda a vida. O nutricionista pode auxiliar neste resgate a alimentação natural, ao conhecimento das frutas, verduras e legumes e seus principais benefícios. A nutrição funcional auxilia neste equilíbrio, no tratamento da obesidade já instalada e nas queixas comuns ao ambiente escolar como déficit de atenção, dificuldade de aprendizado, baixo nível de energia entre tantas outras.

O programa NB FIT KIDs

A infância e a adolescência são fases da vida onde hábitos saudáveis e uma rotina ativa constroem e solidificam hábitos, condutas e comportamentos que serão transportados para a vida adulta, determinando o curso da qualidade de vida futura.

Porém, de fato, a adesão e retenção do público adolescente à atividade física regular está associada com o dinamismo, variedade de estímulos e ludicidade. Portanto, o programa NB FIT KIDs será composto por 80 minutos de atividades distribuídas por exercícios cardiovasculares, força e flexibilidade, onde serão trabalhadas a velocidade, agilidade, força explosiva e pliometria, além de funções básicas como equilíbrio estático e dinâmico, lateralidade, esquema corporal e ritmo.

As aulas deverão ser realizadas em dias alternados, com periodicidade mínima de duas sessões semanais, a fim de garantir os efeitos de transferência das adaptações metabólicas e fisiológicas subagudas e agudas que ocorrem Durantes e imediatamente após a sessão de treinamento, e permitir a completa recuperação metabólica e mecânica da massa muscular.

Avaliação Física

A participação dos alunos no programa NB FIT KIDs se inicia com um processo de avaliação criterioso e adequado às necessidades de levantamento de dados e informações objetivas, úteis e relevantes sobre o estado inicial do aluno, sua composição corporal, capacidade cardiorrespiratória, força e flexibilidade, coordenação motora geral e fina, desempenho em habilidades motores bem como o estado de maturação biológica em comparação ao desempenho cronológico.

Os seguintes itens compõe a Avaliação Física do programa NB FIT KIDs: Anamnese, Avaliação somatória da composição corporal, risco potencial de desenvolvimento de doenças cardiovasculares e demais fatores de risco associados, avaliação da maturação biológica, avaliação de desempenho motor geral - EUROFIT– avaliação postural e diagnóstico de disfunções da coluna vertebral.

Videogames de Interface Ativa

Recentemente, alguns estudos apresentaram dados interessantes que associam um aumento do gasto energético diário e do nível de atividade física semanal com o uso de videogames ativos que simulam a prática de modalidades esportivas dinâmicas como voleibol de praia, tênis de campo, pugilismo e dança contemporânea.

Outra característica atraente desses jogos eletrônicos de interface ativa parece ser o aumento significativo das respostas cardiovasculares em comparação aos videogames de interface sedentária tradicionais, e mesmo em comparação com exercício aeróbico contínuo de intensidade moderada como a caminhada, ou o repouso, as variáveis cardiovasculares do exercício permanecem substancialmente elevadas, o que permite inferir, que o nível de exigência motora e metabólica solicitada pelas videogames de interface ativa parece ter maior conexão com o nível de motivação e engajamento das crianças e adolescentes.

Prescrição do treinamento Aeróbico

A prescrição do treinamento aeróbico envolverá o treinamento intervalado de alta intensidade, visto que a incidência tem sustentado satisfatoriamente que o treinamento intervalado de alta intensidade parece ser mais efetivo para aumentar o VO2 máximo, bem como outros fatores hemodinâmicos centrais, como volume de ejeção sistólica e débito cardíaco, em comparação ao treinamento aeróbico contínuo de baixa a moderada intensidade.

Prescrição do treinamento de força

O treinamento de força muscular se baseará em metodologia que privilegia o treinamento em circuito para grandes grupos musculares através de exercícios multi-articulares, pois aqui o objetivo explícito é desenvolver os mecanismos fisiológicos relativos à coordenação motora geral e neural das estruturas envolvidas na execução do movimento, neurônios, vias de conexão nervosa medulares, músculos e unidades motoras.

Contudo, existem dados suficientes que comprovam que o desenvolvimento da força muscular na infância e adolescência está mais associado ao controle e a qualidade do movimento, funções desempenhadas pelo sistema neuromotor, que ao processo fisiológico de hipertrofia muscular, em virtude da imaturidade metabólica de crianças e adolescentes. Cabe lembrar que, o desenvolvimento da força muscular está diretamente associado à melhoria de desempenho em todas as funções psicomotoras, habilidades motoras e desportivas observadas no universo cotidiano de práticas esportivas experimentados pelos jovens em idade escolar, assim como melhora substancialmente as disfunções e incorreções posturais ocasionadas pelo excesso de peso e material escolar carregados nas mochilas, conforme dados suportados na literatura.

A rotina básica de treinamento

  • Aquecimento global ativo.
  • Exercício aeróbico intervalado com estímulos de média-alta intensidade (~60-90% VO2R) e intervalos de recuperação proporcionais à capacidade aeróbica inicial (~50-60% VO2R)
  • Exercícios de força organizados em circuito composto por 8 a 10 estações de exercício multi-articulares para os membros superiores e inferiores ou exercícios de força específicos na areia, envolvendo um circuito composto por 6 a 8 estações que caracterizem trabalhos de velocidade, agilidade, força explosiva e Pliometria e funções psicomotoras básicas como equilíbrio estático e dinâmico, lateralidade, esquema corporal e ritmo.
  • Exercícios de alongamento
  • Possibilidade de integração do videogame Wii, distribuídos nos últimos 20 minutos de aula como forma de premiação ao bom comportamento e progresso do aluno nas atividades principais oferecidas na primeira parte da aula.

Referências Bibliográficas

  • Parsons, T.J.; Power, C.; Manor, O. Physical Activity, Television Viewing and Body Mass Index: A Cross-Sectional Analysis from Childhood to Adulthood in the 1958 British Cohort. International Journal of Obesity. (29): 1212-1221, 2005.
  • Hancox, R.J.; Milne, B.J.; Poulton, R. Association Between Child and Adolescent Television Viewing and Adult Health: A Longitudinal Birth Cohort Study. Lancet. (364): 257-262, 2004.
  • ACSM. Diretrizes do ACSM para os Testes de Esforço e sua Prescrição. 6 ed. Guanabara-Koogan: Rio de Janeiro, 2003.
  • Parsons, T.J.; Manor, O.; Power, C. Physical Activity and Change in Body Mass Index from Adolescence to Mid-Adulthood in the 1958 British Cohort. International Journal of Epidemiology. (35): 197-204, 2006.
  • Warburton, D.E.R.; Nicol, C.W.; Bredin, S.S.D. Health Benefits of Physical Activity: The Evidence. Canadian Medical Association Journal. 174(6): 801-809, 2006.
  • Brum, P.A.; Forjaz, C.L.M.; Tinucci, T.; Negrão, C.E. Adaptações Agudas e Crônicas do Exercício Físico no Sistema Cardiovascular. Revista Paulista de Educação Física. (18): 21-31, 2004.
  • Casanotto, J.; Polito, M.D. Hipotensão Pós-Exercício Aeróbio: Uma Revisão Sistemática. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 15(2): 151-157, 2009.
  • Kenney, M.J.; Seals, D.R. Postexercise Hypotension: Key Features, Mechanisms and Clinical Significance. Hypertension. 22(5): 653-664, 1993.
  • Deschenes, M.R.; Kraemer, W.J. Performance and Physiologic Adaptations to Resistance Training. American Journal of Physical and Medical Rehabilitation. 81(Suppl): S3-S16, 2002.
  • Simão, R.; Fleck, S.J.; Polito, M.; Monteiro, W.; Farinatti, P. Effects of Resistance Training Intensity, Volume and Session Format on the Postexercise Hypotensive Response. Journal of Strength and Conditioning Research. 19(4): 853-858, 2005.
  • Schjerve, I.E.; Tyldum, G.A.; Tjonna, A.E.; Stølen, T.; Loennenchen, J.P.; Hansen, H.E.M. et al. Both Aerobic Endurance and Strength Training Programmes Improve Cardiovascular Health and Obese Adults. Clinical Science. (115): 283-293, 2008.
  • Latham, N.K.; Bennett, D.A.; Stretton, C.M.; Anderson, C.S. Systematic Review of Progressive Resistance Strength Training in Older Adults. Journal of Gerontology Medical Sciences. 59A(1): 48-61, 2004.
  • Kasapis, C.; Thompson, P.D. The Effects of Physical Activity on Serum C-Reactive Protein and Inflammatory Markers: A Systematic Review. Journal of American College of Cardiology. (45): 1563-1569, 2005.
  • Hambrecht, R.; Adams, V.; Erbs, S.; Linke, A.; Kränkel, N.; Shu, Y. et al. Regular Physical Activity Improves Endothelial Function in Patients with Coronary Artery Disease by Increasing Phosphorylation of Endothelial Nitric Oxide Synthase. Circulation. (107): 3152-3158, 2003.Georgiades, G.; Klissouras, V. Assessment of Youth Fitness: The European Perspective. American Journal of Clinical Nutrition. (49): 1048-1053, 1989.
  • Buono, M.J.; Roby, J.J.; Micale, F.G.; Sallis, J.F.; Shepard, E. Validity and Reliability of Predicting Maximal Oxygen Uptake via Field Tests in Children and Adolescents. Pediatric Exercise Science. (3): 250-255, 1991.
  • Kraus, W.E.; Houmard, J.A.; Duscha, B.D.; Knetzger, K.J.; Wharton, M.B.; McCartney, J.S. et al. Effects of the Amount and Intensity of Exercise on Plasma Lipoproteins. New England Journal of Medicine. 347(19): 1483-1492, 2002.
  • Jago, R.; MacDonald-Wallis, K.; Thompson, J.L.; Page, A.S.; Brockman, R.; Fox, K.R. Better with a Buddy: Influence of Best Friends on Children’s Physical Activity. Medicine and Science in Sports and Exercise. 43(2): 259-265, 2011.
  • Faigenbaum, A.D.; Kraemer, W.J.; Blimkie, C.J.R.; Jeffreys, I.; Micheli, L.J.; Nitka, M.; Rowland, T.W. Youth Resistance Training: Update Position Statement Paper from the National Strength and Conditioning Association. Journal of Strength and Conditioning Research. (0): 1-20, 2009.
  • Graf, D.L.; Pratt, L.V.; Hester, C.N.; Short, K.R. Playing Active Video Games Increases Energy Expenditure in Children. Pediatrics. (124): 534-540, 2009.
  • Penko, A.L.; Barkley, J.E. Motivation and Physiologic Responses of Playing a Physically Interactive Video Game Relative to a Sedentary Alternative in Children. Annals of Behavioral Medicine. 39(2): 162-169, 2010.
  • Strong, W.B.; Malina, R.M.; Blimkie, C.J.R.; Daniels, S.R.; Dishman, R.K.; Gutin, B. et al. Evidence Based Physical Activity for School-Age Youth. Journal of Pediatrics. (146): 732-737, 2005.
  • Helgerud, J.; Høydal, K.; Wang, E.; Karlsen, T.; Berg, P.; Bjerkaas, M. et al. Aerobic High-Intensity Intervals Improve VO2Max More Than Moderate Training. Medicine and Science in Sports and Exercise. 39(4): 665-671, 2007.
  • Wisløff, U.; Støylen, A.; Loennechen, J.P.; Bruvold, M.; Rongmo, Ø.; Magnus, P.H. et al. Superior Cardiovascular Effects of Aerobic Interval Training Versus Moderate Continuous Training in Heart Failure Patients: A Randomized Study. Circulation. (115): 3086-3094, 2007.
  • Rongmo, Ø.; Hetland, E.; Helgerud, J.; Hoff, J.; Slørdahl, S. High Intensity Aerobic Interval Exercise is Superior to Moderate Intensity Exercise for Increasing Aerobic Capacity in Patients with Coronary Artery Disease. European Journal of Cardiovascular Prevention and Rehabilitation. (11): 216-222, 2004.
  • Puhan, M.A.; Büsching, G.; Schünemann, H.J.; Van Oort, E.; Zaugg, C.; Frey, M. Interval Versus Continuous High Intensity Exercise in Chronic Obstructive Pulmonary Disease. Annals of Internal Medicine. (145): 816-825, 2006.
  • Shamsoddini, A.R.; Hollisaz, M.T.; Hafezi, R. Backpack Weight and Musculoskeletal Symptoms in Secondary School Students, Tehran, Iran. Iranian Journal of Public Health. 39(4): 120-125, 2010.
  • Korovessis, P.; Koureas, G.; Papazisis, Z. Correlation Between Backpack Weight and Way of Carrying, Sagittal and Frontal Spinal Curvatures, Athletic Activity and Dorsal and Low Back Pain in Schoolchildren and Adolescents. Journal of Spinal Disorders and Techniques. 17(1): 33-40, 2004.
  • Heyward, V. ASEP Methods Recommendation: Body Composition Assessment. Journal of Exercise Physiology on line. 4(4): 1-12, 2001.
  • Mirwald, R.L.; Baxter-Jones, A.D.G.; Bailey, D.A.; Beunen, G.P. An Assessment of Maturity from Anthropometric Measurements. Medicine and Science in Sports and Exercise. 34(4): 689-694, 2002.
  • Georgiades, G.; Klissouras, V. Assessment of Youth Fitness: The European Perspective. American Journal of Clinical Nutrition. (49): 1048-1053, 1989.
  • Buono, M.J.; Roby, J.J.; Micale, F.G.; Sallis, J.F.; Shepard, E. Validity and Reliability of Predicting Maximal Oxygen Uptake via Field Tests in Children and Adolescents. Pediatric Exercise Science. (3): 250-255, 1991.
  • Steinberger MD, Julia; Daniels MD, Stephen R. Obesity, Insulin Resistance, Diabetes, and Cardiovascular Risk in Children. Circulation. 2003;107:1448.
  • Goran, Michael; Ball, Geoff D. C. and Cruz, Martha L.. Obesity and Risk of Type 2 Diabetes and Cardiovascular Disease in Children and Adolescents. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism Vol. 88, No. 4 1417-1427
  • Goodman MD Elizabeth, Whitaker MD, Robert C., MPH. A Prospective Study of the Role of Depression in the Development and Persistence of Adolescent Obesity. Pediatrics Vol. 110 No. 3 September 2002, pp. 497.
  • Bowman, PhD, Shanthy A; Gortmaker, PhD, Steven L.; Ebbeling, PhD, Cara B.; Pereira, PhD, Mark A.; Ludwig, David S. MD, PhD. Effects of Fast-Food Consumption on Energy Intake and Diet Quality Among Children in a National Household Survey. Pediatrics Vol. 113, 2004, pp. 112-11.
  • Curtin, C; Anderson, SE; Must, A; Bandini, L. The prevalence of obesity in children with autism: a secondary data analysis using nationally representative data from the National Survey of Children's Health. BMC Pediatr. 2010; Feb, 23, 10: 11.
  • Curtin, C; Bandini, L.; Perrin, EC; Tybor, DJ; Must, A. Prevalence of overweight in children and adolescents with attention deficit hyperactivity disorder and autism spectrum disorders: a chart review. BMC Pediatr. 2005; Dec 21, 5: 48.
  • Pelsser, LM; Buitellar, JK. Foods and additives are common causes of the attention deficit hyperactive disorder in children. Annuals Allergy, 1994 May; 72(5):462-8.
  • Pelsser, KF; Buitelaar, JK; Rommelse, NN. Effects of food on physical and sleep complaints in children with ADHD: a randomised controlled pilot study. Eur J Pediatr. 2010 September; 169(9): 1129–1138.