PROGRAMA NB FIT LCA – Ligamento Cruzado Anterior

Introdução

Criação e Coordenação - Prof. Guilherme Noira

O ligamento cruzado anterior (LCA) é uma estrutura ligada a estabilidade do joelho e se localiza na parte central da capsula articular, fora da cavidade sinovial. As bandas do LCA são constituídas de colágeno e elastinas, estando em diferentes graus de tensão conforme o grau de flexão do joelho. Com o joelho em extensão, as fibras estão paralelas e com o joelho em flexão as fibras cruzam anteriores cruzam sobre as fibras posteriores. Sua principal função é evitar a anteriorização da tíbia, além de estabilizar as rotações do joelho.

A resistência do LCA varia conforme a idade. Em um estudo de 1976 realizado por Kennedy e colaboradores, foi observado que a resistência do LCA em jovens entre 20 e 35 anos é 50% maior do que em pessoas entre 40 e 50 anos e três vezes maior do que em pessoas entre 60 e 97 anos. A variação da resistência do LCA conforme a idade foi corroborada por Rockwood em 1994. Esse autor ainda observou que o alongamento do LCA pode chegar até 25% do seu valor normal sem ruptura, tendo esse valor uma redução conforme o aumento da idade.

Mecanismos de Lesão

De acordo com diversos estudiosos (Rockwood, Weinstein, Amatuzzi e Camanho), a lesão do Ligamento Cruzado Anterior ocorrem por mecanismos de estresse nesse ligamento. A maior parte dessas lesões ocorrem a partir de uma torção valga e rotação do joelho, estando o pé firme no chão. Essas lesões podem ser parciais ou totais, dependendo do movimento, força e alongamento.

A instabilidade do joelho, seja em uma lesão parcial ou total, é o sintoma mais comum e o principal problema e ser corrigido. É necessário diferenciar no tratamento das lesões ligamentares do joelho todos os grupos de risco e procurar, na escolha correta de uma conduta terapêutica, aquela mais adequada para o paciente.

Classificação das lesões do Ligamento Cruzado Anterior

Para NABARRETE (2003), as lesões do ligamento cruzado anterior podem ser graduadas em 3 graus.

Grau I

Lesão é leve, com presença de edema, sensibilidade local e com rompimento de alguns ligamentos sem perda funcional.

Grau II

Lesão do tipo moderada, onde grande parte dos ligamentos encontram-se rompidos seguido de instabilidade na articulação, não demonstrando perda completa da integridade do ligamento.

Grau III

Lesão do tipo grave, havendo rompimento completo das fibras ligamentares.

Importante!

De acordo com uma pesquisa realizada em 1994 por Rockwood e seus colaboradores, o ligamento cruzado anterior não tratado adequadamente pelo método conservador leva a frouxidão anterior, instabilidade rotatória e rotura meniscais, tendo aumento nas alterações radiológicas da diminuição do espaço articular e osteoartrite.

Prescrição do Treinamento Físico e Programa de Reabilitação

O programa de reabilitação para as lesões do Ligamento Cruzado Anterior, propostas pela NB FIT, só serão iniciadas após a liberação médica e encaminhamento

A prescrição do treinamento e o programa de fortalecimento muscular proposto pela NB FIT leva em consideração que o paciente já passou por toda a fase inicial de tratamento, sendo liberado pelo Médico e pelo Fisioterapeuta para iniciar o programa de fortalecimento muscular específico. Além disso, a prescrição do treinamento deve ser diferenciada de acordo com a idade do paciente, histórico de atividades físicas e presença de lesões associadas, principalmente lesões de cartilagem.

Fortalecimento Muscular

A meta inicial no trabalho de fortalecimento muscular após a fase aguda, visa aumentar a resistência e a força dos grupos musculares que cruzam o joelho. A ênfase maior para um trabalho de reabilitação de lesão de LCA deve ser dada aos músculos posteriores da coxa (isquiotibiais e gastrocnêmios).

O principal cuidado durante a prescrição de exercícios de fortalecimento muscular é a menor produção possível de Deslocamento Tibial Anterior (DTA) para evitar a deformação do enxerto ou agravamento de uma lesão.

Pensando nisso, diversos autores se especializaram nesse assunto e diversas pesquisas foram publicadas nesse tema. Pesquisas mostram que os exercícios de Cadeia Cinética Fechada (CCF), em especial o Agachamento, são os mais recomendados, pois apresentam menores DTA quando comparados com os exercícios de Cadeia Cinética Aberta (CCA). Entretanto, alguns estudos não apresentaram diferenças significativas na DTA ao comparar exercícios de CCA e CCF, apresentando que em ambas as estratégias os valores de DTA são insuficientes para deformar o enxerto.

Portanto, a prescrição deve nortear o atual nível de condicionamento do paciente, seu histórico e o grau da lesão. Além disso, muitas vezes, a LCA está associada a outros tipos de lesão, o que poderá definir a estratégia de prescrição dos exercícios de força.

Propriocepção

A propriocepção é inicialmente trabalhada de uma maneira consciente por meio de exercícios de equilíbrio, postura do joelho no espaço, tempo correto de atuação dos músculos flexores e etc. A repetição exaustiva deste treinamento consciente fará com que o mesmo se torne automático, e inconsciente preparando o paciente a usar seus músculos flexores antes de chocar o pé contra qualquer obstáculo, mesmo o solo. Varias técnicas existem para se treinar a propriocepção do joelho e em media se necessita de quatro a seis semanas de trabalho para um bom resultado final.

Exercícios de Alongamento

Os exercícios de alongamento são permanentes durante todo o processo de reabilitação do LCA e são importantes pois reduzem as tensões musculares, estimulam os mecanoreceptores, aumentam o arco de movimento, ativa a circulação, diminuem o atrito entre as estruturas articulares e promovem o aquecimento articular.

Referências Bibliográficas

  • Butler DL, Noyes FR, Grood ES: Ligamentous restraints to anterior–posterior drawer in the human knee. A biomechanical study. J Bone and Joint Surgery 1980; 62 A:259-270
  • Solomonov M, Baratta R, Zhou BH, et al: The synergistic action of the anterior cruciate ligament and thigh muscles in maintaining joint stability. Am J Sports Med 1987; 15:207-213
  • Noyes FR, Mooar LA, Moormand CT, McGinnniss. Partial tears of the anterior cruciate ligament. J Bone Joint Surg 1989;  71B:825-833
  • Fruensgaard S, Johannesen HV. Incomplete ruptures of the ACL. J Bone Joint Surg 1989; 71B:526-530
  • Abdalla RJ: Lesão Parcial do Ligamento Cruzado Anterior (Dissertação de Mestrado).  São Paulo – Escola Paulista de Medicina, 1994
  • Hernandez AJ, Vieira EA: O Joelho Agudo – Função dos ligamentos na estabilização do joelho. In: Camanho GL, editor. Patologia do Joelho: Savier; 1996. p.1-34
  • Palmitier RA, An KN,Scott SG : Kinematis chain exercices in knee reabilitaion .Sports Med 1991; 11:402-413